Comunicação e saberes para paz se conquistam pela cidadania

Spread the love

Projeto social realiza oficinas gratuitas de jornal comunitário, produção e edição de vídeos, comunicação pela paz e cineclubes itinerantes no Porto Meira

Tathiana Guimarães
Cientista Social e Coordenadora do Ponto de Cultura – Cultura da Paz: Comunicação, Saberes e Arte pela Paz

O Ponto de Cultura do Centro de Direitos Humanos e Memória Popular (CDHMP) tem criado junto à população da região do Porto Meira mecanismos de integração comunitária, expressão popular, democratização do acesso e da produção de informação, conscientização social e de uma efetiva participação democrática.


Entre as atividades ofertadas pelo projeto estão oficinas gratuitas de jornal comunitário, produção e edição de vídeos, comunicação e cineclubes itinerantes. Temáticas sociais de interesse público são identificadas e discutidas a partir dos problemas que envolvem as realidades distintas e as experiências particulares dos moradores do bairro.

O objetivo é possibilitar que os protagonistas da história deste bairro sejam produtores de seus relatos cotidianos. As atividades possuem características específicas e potenciais de grande importância e relevância social.

Equipe – Os minicursos têm sido ministrados pelos ativistas Maurício Ferreira (coordenador da oficina de vídeo), Daniela Schlogl (coordenadora da oficina de jornal), Isel Talavera (coordenadora da oficina de Comunicação pela Paz), Samuel Cassiano (história oral e memória popular) e Amilton Farias e Henrique Lacerda (coordenadores dos cineclubes).


Espaços –
O Ponto de Cultura ocupa espaços no Centro de Convivência Francisco Buba, com oficinas de jornal para crianças e adolescentes; e no Colégio Estadual Gustavo Dobrandino da Silva, com o minicurso de vídeo, tendo o público de professores e funcionários da rede estadual de ensino.

Já no Centro de Atenção Integral ao Adolescente (CAIA) ocorre a oficina de Comunicação pela Paz, cujos conceitos de direitos humanos e valores sociais são refletidos e debatidos em roda de conversa com um grupo de jovens.

O projeto – “Cultura da Paz – Comunicação, Saberes e Arte para a Paz” conta com apoio do Ministério da Cultura, por meio da Fundação Cultural, além de entidades parceiras como o Centro de Convivência Francisco Buba, o Colégio Estadual Dobrandino da Silva, o Projeto Cinemeira, o Centro de Atenção Integral ao Adolescente (CAIA), o Cineclube Cinelatino e a Guatá – Cultura em Movimento.


ONDE POSSO PARTICIPAR?

Atividade de Vídeo
Local: Colégio Estadual Dobrandino da Silva
Rua Rosália Bertoline Welter, 111 – Parque Patriarca
Quando? Todas as segundas-feiras
Horário: 17 Horas

Atividade de Jornal
Local: Centro de Conviência Francisco Buba
Rua Golfinho, 460 – Porto Meira
Quando? Todas as quartas-feiras
Horário: 14 horas

Atividade Comunicação pela Paz
Local: CAIA
Avenida Morenitas, 2195 – Vila Padre Monti
Quando? Todas as quartas-feiras
Horário: 15 horas

Um pouco mais de cada ação

► Oficina de jornal
A oficina de jornal busca estimular o pensamento crítico, a liberdade de expressão, a produção de texto, a contextualização e a formação de sujeitos narradores de suas próprias histórias, contestações e necessidades. A atividade empenha-se em oferecer condições e materiais para elaborar jornais a partir da visão e da pauta criada pelos próprios participantes.

► Oficina de vídeo
A oficina de vídeo oferece conhecimentos técnicos de planejamento, produção, roteiro e edição. Os participantes são motivados a fazerem registros audiovisuais, conforme seus interesses. Pretende-se estimular a produção de curtas-metragens a partir dos olhares das comunidades locais.

► Comunicação pela Paz
A oficina de Comunicação pela Paz busca aprofundar conceitos relacionados à defesa dos direitos humanos e fundamentais. A troca de experiências sobre as realidades sociais, o senso questionador de si mesmo, o olhar para o outro e o estímulo à assertividade tornam-se molas propulsoras da percepção social e da solidariedade. A comunicação não-violenta é utilizada para contornar os sentimentos destrutivos das relações sociais, racionalizar as emoções individuais, visualizar a totalidade dos fatos sociais, o acesso aos serviços públicos, a fim de incitar a tomada de cidadania e combate à violação dos direitos fundamentais.

► Cineclube
Os cineclubes são itinerantes, com filmes educativos. A discussão de problemáticas expostas pelos audiovisuais toma corpo na realidade e mobilizam as pessoas a pensarem em conjunto sobre os desafios e as soluções sociais. Os sujeitos fazem uso de seus conhecimentos distintos, criando uma grande roda de debate para encontrar encaminhamentos coletivos, com vista a contribuir com as transformações sociais que têm como base o respeito a diversidade, defesa da igualdade e justiça social.